FLYING UNDER THE RADAR

VOANDO SOB O RADAR

Flying Under the Radar: Biennial of the Arts    Rio de Janeiro x San Francisco

IN CONVERATION WITH RENATO CRUZ 

 
 

Sharing some conversation with Brazilian choreographer Renato Cruz, who will be participating in our upcoming event FUTR OnAir | Rio de Janeiro = San Francisco. He is paired with Bay Area musician/artivist Candice Davis. The two of them will be collaborating in OnAir via live stream at Little Boxes Theater on November 6th.

FELANDO DO SEU TRABALHO EM TERMOS GERAIS, O QUE É QUE MAIS TE INSPIRA?

O que mais me inspira são as infinitas possibilidades de conexão entre o movimento do corpo e as questões existentes da sociedade em que vivemos hoje. O movimento do corpo que movimenta as idéias, e o movimento de idéias que levam ao movimento do corpo;

 

VOCÊ PODE NOS DIZER ALGO À RESPEITO DO PROJETO QUE VOCÊ ESTÁ SE DESENVOLVENDO COM SEU PARCEIRO EM SAN FRANCISCO? 

Nesse projeto, estou colaborando com Candice Wicks,cantora e compositora, Artista sensível que possui forte relação com as questões africanas, dos negros e das mulheres. Dirijo um solo que mexe nessas questões, para o talentoso bailarino, intérprete e criador Duly Omega cuja trilha sonora será assinada por Candice. 

 

ATÉ AGORA, QUAL FOI O ASPECTO MAIS SURPREENDENTE OU INTERESSANTE DESSA EXPERIÊNCIA?

 O aspecto mais interessante dessa experiência é que, partindo das questões que mexem com Candice, estou voltando a tocar em assuntos que me mobilizaram no passado. Coincidencia ou não, este ano estou reestreando uma peça antiga da minha cia, a Companhia Híbrida, que questiona o lugar do negro, da mulher, do gay, em nossa sociedade. São parcelas da população com muito em comum, pois que conhecem bem o lugar do preconceito, sentem na pele toda a violência da não aceitação e da ilusão da igualdade de direitos. Um tema forte, que volto a tocar agora, focado dessa vez no corpo negro e feminino, por um viés mais sofrido, mais tenso.

 

VOCÊ JÁ FEZ UMA PERFORMANCE LIVE STREAMING JUNTO COM ARTISTA DE OUTRO PAÍS?

 é a primeira vez que faço e estou muito ansioso nessa partilha. Quero entender o alcance que isso pode tomar.

 

VOCÊ ACHA QUE A EXPERIÊNCIA DESSA PARCERIA VAI INFLUENCIAR O SEU PROCESSO ARTÍSTICO E A O PROCESO DE DESENVOLVIMENTO COMO ARTISTA?

 Sim, visto que é a primeira vez que trabalho numa colaboração em tempo real com outra pessoa num outro continente. Trabalhar em colaboração é aceitar afetar e sobretudo ser afetado. Sinto-me muito afetado pelo trabalho e motivações de Candice, misturo-me as questões dela, misturo-me as questões de Duly Omega, para que nesse furacão eu possa também mobilizar meu pensamento em torno de temas tão complexos.