FLYING UNDER THE RADAR

VOANDO SOB O RADAR

Flying Under the Radar: Biennial of the Arts    Rio de Janeiro x San Francisco

O conceito de Voando Sob o Radar, Bienal de Artes, Surgiu a partir da segunda FLUPP (Festa Literária das Periferias), que ocorreu em novembro de 2013 em Vigário Geral, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Durante a FLUPP 2103, ficaram evidentes as semelhanças entre os interesses e abordagens dos artistas da FLUPP e aqueles nos Estados Unidos, em particular na área da baía de São Francisco. Parecia como se, apesar da ubiquidade da informação presente na internet, a falta de contato seria a responsável pelo bloqueio de uma compreensão cultural mais ampla. A FLUPP apresentou a ideia de que artistas brasileiros, separados geograficamente, mas não filosoficamente, dos artistas americanos, poderiam estar trabalhando em parceria com seus homólogos norte-americanos, e não apenas em paralelo.

 

San Francisco e Rio de Janeiro formam uma parceria lógica com muitas semelhanças, tanto físicas quanto culturais. Ambas existem em paisagens naturais extraordinárias, possuem identidades culturais únicas, contam com uma presença importante no comércio internacional e exibem uma riqueza de instituições de arte e educação de renome. Entre todas as características comuns ao Rio e a São Francisco, a mais proeminente é a tradição contínua de aceitar imigrantes de braços abertos. Desde as suas fundações, ondas de imigrantes de dentro e de fora das fronteiras nacionais chegaram nestas metrópoles e nas suas cercanias à procura de oportunidades, e muitos encontraram abrigo em meio ao tecido da sociedade urbana. As populações multiculturais e multiétnicas que surgiram dos séculos de imigração foram instrumentais na transformação destas cidades portuárias em caldeirões de mudança social.

Para a maioria dos artistas, é a observação de questões e fenômenos locais que move a paixão. Atualmente, há um incontável número de artistas cujos interesses em temas locais os inspiram a criar obras profundamente significativas; muitos destes temas são peculiares às suas comunidades diretas, mas poderiam ser estendidos através de fronteiras nacionais e internacionais com a existência de um fórum no qual pudessem ser apresentados, beneficiando não apenas o público, mas uns aos outros. Promover a comunicação entre comunidades artísticas globais destaca o compartilhamento e ajuda a reduzir os efeitos negativos do nacionalismo e da chamada divisão norte-sul. A reunião de artistas que trabalham temas semelhantes no Rio e em São Francisco pode ser um modelo de comunicação entre economias consolidadas e emergentes. Com o objetivo de elevar a estatura e a exposição do festival, e de oferecer orientação para artistas e autores participantes, indivíduos e instituições eminentes nos campos da arte e da educação no Rio e em São Francisco já se envolveram nas primeiras etapas do planejamento.

A primeira fase do festival será FUTR OnAir, que ocorrerá no Rio de Janeiro e em San Francisco no dia 6 de novembro, 2016. Os participantes serão seis artistas emergentes sendo três da área metropolitana do Rio de Janeiro emparelhados com três parceiros da área da baia de San Francisco, Califórnia. Os artistas trabalharão com uma variedade de mídias incluindo cinema e vídeo, dança e performance, poesia, música, e artes visuais.  Os pares serão compostos de um brasileiro que costuma trabalhar num disciplina e um americano que costuma trabalhar em outra, por exemplo, poeta brasileiro com escultora norte-americana, bailarino norte-americana com artista plástico brasileiro. Assim sendo, o fruto das parcerias será um híbrido de culturas, idiomas, e maneiras de trabalhar.

Os eventos planejados para  Voando Sob o Radar, Bienal de Artes, são projetados com o objetivo de encurtar diferenças culturais, barreiras linguísticas e tradições artísticas, através da cooperação direta. O conceito do festival enquanto laboratório para novos modos de cooperação artística internacional é um ponto central da nossa missão.